Cinema da Fundação recebe mostra A Cinemateca é Brasileira em outubro

21 de agosto de 2023

A história do cinema brasileiro com as redes exibidoras do país passa por momentos de negligenciamento e esquecimento. Por isso, privilegiar, valorizar e difundir a sétima arte produzida em território nacional sempre foram os objetivos do Cinema da Fundação. E, neste mês de outubro, o equipamento cultural da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) recebe a mostra “A CINEMATECA É BRASILEIRA”, promovida pela Cinemateca Brasileira e aprovada na Lei Rouanet, por meio do Projeto Viva Cinemateca.

Com programação itinerante, uma seleção de filmes importantes do cinema nacional, exposição e ações educativas serão levadas a 12 cidades brasileiras. No Cinema da Fundação serão exibidos 18 filmes e as atividades acontecem de forma gratuita entre os dias 13 e 25 de outubro, nas salas Museu e Derby. Cada obra contará com, pelo menos, três sessões.

“O cinema brasileiro sempre teve uma cadeira de destaque aqui no Cinema da Fundação. Eu imagino que não haveria lugar mais adequado no Recife para receber essa mostra tão cuidadosa que a Cinemateca Brasileira preparou do que o nosso espaço, que tem o histórico de abraçar o cinema brasileiro”, pontuou o coordenador do Cinema da Fundação, Luiz Joaquim.

A presidenta da Fundaj, a professora doutora Márcia Angela Aguiar, ressalta a importância do evento na Fundação, tendo em vista o seu compromisso com o desenvolvimento das atividades culturais no Brasil. A CINEMATECA É BRASILEIRA ainda vai visitar espaços culturais e salas de exibição nas cidades de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) Canaã dos Carajás (PA), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA) e Vitória (ES).

Para a seleção dos filmes que integram a mostra, a curadoria pensou sobre como, ao longo dos mais de 120 anos de história, o cinema brasileira perpassa diferentes momentos históricos, propostas estéticas e abordagens temáticas de forma rica e complexa. Um dos longas-metragens que faz parte da programação é o documentário São Paulo: a sinfonia da metrópole (1929), de Rodolfo Lustig e Adalberto Kemeny, que retrata a capital paulista no final da década de 1920.

A mostra ainda vai permitir ao público a apreciação nas telonas da dupla Grande Otelo e Oscarito, em Carnaval Atlântida (1952), de José Carlos Burle. Outras obras que estarão na grade dos cinemas são O pagador de promessas (1962), de Anselmo Duarte, Cabra marcado para morrer (1984), de Eduardo Coutinho, A Hora da Estrela (1985), de Suzana Amaral, e Central do Brasil (1998), de Walter Salles.

“É uma mostra muito completa, uma chance muito valiosa e rara de o espectador acessar mais de uma dúzia de filmes fundamentais da história do cinema e do cinema brasileiro com a melhor projeção possível”, completou Luiz Joaquim.

Desde 1998, o Cinema da Fundação se propõe a privilegiar as produções nacionais. Nessa época, as exibidoras tinham uma cota para as projeções brasileiras e o espaço sempre ultrapassou essas restrições.

Filmes exibidos:
São Paulo A Sinfonia da Metrópole (1929)
Limite (1931)
Carnaval Atlântida (1952)
O Cangaceiro (1953)
Jeca Tatu (1959)
5x Favela (1962)
O Pagador de Promessas (1962)
Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964)
À Meia Noite Levarei Sua Alma (1964)
O Bandido da Luz Vermelha (1968)
Macunaíma (1969)
Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976)
Cabra Marcado para Morrer (1984)
Ilha das Flores (1989)
A Hora da Estrela (1985)
Central do Brasil (1998)
Cidade de Deus (2002)
Bacurau (2019)

Cinema da Fundação recebe mostra A Cinemateca é Brasileira em outubro