Com clássicos do cinema e bom público, tem início a mostra “A Cinemateca é Brasileira”, na Fundação Joaquim Nabuco

17 de outubro de 2023

Com bom público, foi aberta, na sexta-feira (13), a mostra “A CINEMATECA É BRASILEIRA”, que reúne uma bela exposição de imagens, que contam parte da história do cinema brasileiro, além de exibições gratuitas de filmes no Cinema da Fundação, equipamento cultural vinculado à Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca), da Fundação Joaquim Nabuco. A abertura foi realizada pela presidenta da Fundação, a professora doutora Márcia Angela Aguiar, que destacou a importância da Fundaj, como guardiã da memória, ressaltando o valor do cinema brasileiro.

“Esse é um momento muito importante para a Fundação Joaquim Nabuco, que é guardiã da memória, da cultura e das artes do Nordeste e do Norte. E não poderíamos ter palco melhor do que esse para a apresentação de algo tão valioso para o Brasil, como é a história do cinema brasileiro. Destacando o trabalho realizado por toda a equipe do Cinema da Fundação, com Luiz Joaquim (Coordenador) e Ernesto Barros (Curador) e a revitalização deste espaço importante para Pernambuco, que vai estar lotado nestes dias de mostra”, afirmou Márcia Angela Aguiar.

Participaram da abertura, representando a Cinemateca Brasileira, a produtora cultural Denise Janoski e o coordenador de comunicação Celso Filho, ambos destacando a necessidade de preservação da memória da história do nosso cinema e da nossa cultura. “Estamos muito felizes de estar na Fundaj, um momento de parceria que esperamos continuar na preservação e memória da história do cinema brasileiro e da nossa cultura. Poder circular nos estados do País com esses filmes é realmente muito gratificante”, disse Denise.

Por sua vez, Celso Filho destacou o trabalho realizado pela Cinemateca Brasileira e agradeceu à equipe da Fundaj pela receptividade ao projeto. “Foi essencial trazer essa mostra e a exposição ao Cinema da Fundação. A exposição fala sobre a Cinemateca Brasileira e faz parte de um projeto maior, que celebra a retomada da Cinemateca Brasileira, com sua abertura no ano passado, juntando ações de preservação, isso inclui restauro e recuperação dos acervos da Cinemateca, em São Paulo, reforma da sede, mas também conta com um braço da difusão, e é o que estamos fazendo aqui, que é estreitar os laços com as instituições culturais do país e poder trazer esse panorama do cinema nacional para todos os espaços possíveis do País”.

Na ocasião, o coordenador do Cinema da Fundação, Luiz Joaquim, e Ana Carmen Palhares, da Dimeca, convidaram o público a visitar a exposição, que estará disponível na Galeria Vicente do Rego Monteiro, no Campus Ulysses Pernambucano da Fundaj, no Derby. A exposição é uma extensão da mostra de filmes, com curadoria da Cinemateca Brasileira. “Convido todo mundo a conhecer essa exposição, é uma belíssima exposição, um mergulho, uma síntese da política brasileira entrelaçada com o audiovisual, uma extensão da mostra de filmes. Filmes que são verdadeiras pérolas do nosso audiovisual e que serão exibidos em alta qualidade”, concluiu.

Logo após a cerimônia de abertura, foi exibido o longa “Cidade de Deus”, seguido de “O Pagador de Promessas”. Para o estudante Antonio Vinícius, os festivais de filmes nacionais são cada vez mais necessários. “Muito importante essa mostra, com esses clássicos. O Cinema da Fundação já é conhecido por ter um preço bem acessível e ainda mais gratuito, chama bastante atenção. Assisti ‘Cidade de Deus’, uma grande referência e ter filmes assim aumenta o contato das pessoas com o nosso audiovisual. Precisamos dos festivais com filmes nacionais”, pontuou.

O projeto vem rodando o País buscando valorizar e difundir a sétima arte produzida em território nacional, com programação itinerante, uma seleção de filmes importantes do cinema nacional, exposição e ações educativas, que estão sendo levadas a 14 cidades brasileiras. Em meio às exibições, também serão realizadas sessões educativas, que podem ajudar, inclusive, quem vai fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), como detalha Ana Carmen.

“Faremos uma ação educativa a partir da segunda-feira (16), no Cinema do Museu, em Casa Forte, às 14 horas, com uma sessão gratuita de Joaquim, dedicada especialmente aos jovens estudantes de Ensino Médio, pois foca em temas que caem nos vestibulares. Na terça-feira (17), pela manhã, teremos Macunaíma, às 9h, aqui, na Sala Derby, também aberta ao público, com discussão educativa a partir da obra literária e cinematográfica”, destacou. No Cinema da Fundação, as atividades acontecem de forma gratuita entre os dias 13 e 25 de outubro, nas salas Museu e Derby. Já a exposição ficará aberta entre 13 e 29 de outubro.

Com clássicos do cinema e bom público, tem início a mostra “A Cinemateca é Brasileira”, na Fundação Joaquim Nabuco